>
>
Núcleos conceituais
núcleos conceituais
ciclo básico
Fundamentos de Matemática (Cálculo, Geometria Analítica, Equações Diferenciais), Física (Mecânica, Termodinâmica e Fluidos, Eletromagnetismo, Ondas) e Computação (Algoritmos, Estruturas de Dados, Programação Orientada a Objeto, Sistemas Operacionais). Esses são fundamentos comuns a vários cursos de Engenharia, e constituem a base a partir da qual derivam os conhecimentos específicos do curso.
eletricidade e eletrônica
O curso de Engenharia de Sistemas, no caso da UFMG, surge como uma derivação da grande área da Engenharia Elétrica. Seu currículo inclui tópicos tais como: Circuitos Elétricos, Eletrônica Digital, Eletrônica Analógica, Conversão Eletromecânica da Energia.
fundamentos de humanidades
O Engenheiro de Sistemas terá, em sua vida profissional, o papel de integrar ou de coordenar equipes de desenvolvimento de projetos, e terá o papel de interpretar ou traduzir as necessidades dos usuários, ou da sociedade, em termos de requisitos de projeto. O currículo da UFMG prevê uma significativa carga horária destinada à aquisição de conhecimentos e de habilidades relacionadas com essas dimensões.
simulação e projeto multifísica
As áreas tradicionais da Engenharia já vêm, há décadas, trabalhando na construção de sistemas computacionais de simulação daqueles sistemas específicos de cada uma dessas áreas. Assim, hoje há pacotes bastante sofisticados para a simulação de circuitos elétricos e eletrônicos, para a análise de esforços mecânicos em estruturas, para a análise de fluxos de fluidos, para a análise térmica, para a análise de campos eletromagnéticos. É relativamente recente, entretanto, a tentativa de integração desses pacotes em sistemas capazes de simular diversos aspectos de um mesmo equipamento ao mesmo tempo.

Essa simulação de aspectos diversificados em um mesmo ambiente é chamada de “simulação multifísica”. Nos últimos 20 anos, ela tem sido responsável por significativos ganhos de eficiência no projeto de sistemas complexos, tais como automóveis e aviões. O curso da UFMG conta com várias disciplinas que desenvolvem esse conceito.
validação de projetos
O corpo teórico englobado por esse tema se originou na chamada “Engenharia de Software”. Ele diz respeito às técnicas empregadas para se realizar um projeto com a especificação sistemática de todas as partes funcionais e de suas inter-relações, usando conceitos tais como o de “modularidade”, e permitindo a geração de entidades tais como “árvores de falhas” e “índices de confiabilidade”. Não por coincidência, tais conceitos surgiram no âmbito da Ciência da Computação, no bojo de uma chamada “crise do software”, na qual os custos de desenvolvimento de programas subiam vertiginosamente, os prazos se tornavam extremamente longos, e a confiabilidade do sistema resultante se tornava inaceitavelmente baixa, em virtude da complexidade dos sistemas que eram demandados no início da década de 1970.

Os avanços tecnológicos do final do século XX levaram a que diversos outros tipos de sistemas, além dos programas de computador, passassem a apresentar as mesmas dificuldades, inerentes à sua “complexificação”. Assim, por exemplo, o projeto de automóveis e aviões passou pelo mesmo processo no final dos anos 1980. Nesse período, aqueles desenvolvimentos teóricos obtidos na Engenharia de Software foram generalizados para serem aplicáveis ao projeto de quaisquer dispositivos.

Esse núcleo teórico é central no currículo de Engenharia de Sistemas.
modelagem e otimização de sistemas
Essas técnicas, que constituem um extenso repertório de ferramentas “livres-de-contexto”, vêm sendo empregadas com crescente intensidade onde quer que dispositivos de alta agregação tecnológica sejam projetados nos dias de hoje. Em geral, as mesmas técnicas se aplicam a contextos muito distintos, tais como o projeto de aeronaves, ou de bicicletas, ou de máquinas de lavar, etc, sempre conduzindo a ganhos de eficiência, desempenho diferenciado ou aumento da confiabilidade. Esse conjunto de técnicas, que vem sendo introduzido de forma marginal em alguns currículos dos cursos tradicionais de Engenharia, constitui um dos troncos de formação do Engenheiro de Sistemas.
novidades
Cadastre-se e receba novidades sobre o curso em seu e-mail
perguntas
Olá, gostaria de saber qual a diferença da engenharia de sistemas para a engenharia de computação. Pelo que me parece, a d...
A engenharia de sistemas se preocupa com o processo geral de definição, desenvolvimento, operação, manutençã...